Ano IV - 12 de Novembro de 2019

Educação

09/04/2016
Braille: sinônimo de vida para muitos

A Deficiência Visual é a mais representativa no Brasil, pois atinge 3,6% dos brasileiros, sendo mais comum entre as pessoas com mais de 60 anos (11,5%). 

O grau intenso ou muito intenso da limitação impossibilita 16% dos deficientes visuais de realizar atividades habituais como ir à escola, trabalhar e brincar; o Sul é a região do país com maior proporção de pessoas com deficiência visual (5,4%). 

A pesquisa mostra que 0,4% são deficientes visuais desde o nascimento e 6,6% usam algum recurso para auxiliar a locomoção, como bengala articulada ou cão guia e, ainda que menos de 5% do grupo frequentam serviços de reabilitação.

Por nos preocuparmos com este assunto e para comemorar esta data muito especial para vida de tantas pessoas com Deficiência Visual em nosso país, trazemos informações sobre o Sistema Braille, e ainda, os detalhes da Entrevista realizada com a professora Sandra Mara Peralta, que há 28 anos atua com a educação de alunos cegos na cidade de Arapongas/PR.

O Sistema Braille


O Sistema Braille consiste de um processo de leitura e escrita em relevo, com base em 64 (sessenta e quatro) símbolos resultantes da combinação de 6 (seis) pontos, dispostos em duas colunas de 3 (três) pontos e é também denominado Código Braille.

Este sistema, utilizado universalmente na leitura e na escrita por pessoas cegas, foi inventado na França, em 1825, pelo jovem cego Louis Braille que, em seus estudos, definiu a estrutura básica do sistema, ainda hoje utilizada mundialmente, e a utilização do Sistema Braille no Brasil pode ser abordada em três períodos distintos:


1854 a 1942

Em 1854 o Sistema Braille foi adotado no Imperial Instituto dos Meninos Cegos (hoje, Instituto Benjamin Constant), sendo assim, a primeira instituição na América Latina a utilizá-lo e a exemplo de outros países, o Brasil passou a empregar, na íntegra, o código internacional de Musicografia Braille de 1929.


1942 a 1963

Para atender à reforma ortográfica da Língua Portuguesa de 1942, o antigo alfabeto Braille de origem francesa foi adaptado às novas necessidades de nossa língua, especialmente para a representação de símbolos indicativos de acentos diferenciais. Destaca-se, ainda, a adoção da tabela Taylor de sinais matemáticos, de origem inglesa, em substituição à simbologia francesa até então empregada. A Portaria no. 552, de 13 de novembro de 1945, estabeleceu o Braille Oficial para uso no Brasil e a Lei no. 4.169, de 4 de dezembro de 1962, que oficializou as convenções braille para uso na escrita e leitura dos cegos, além de um código de contrações e abreviaturas braille, veio a criar dificuldades para o estabelecimento de acordos internacionais, pelo que, especialistas brasileiros optaram por alterar seus conteúdos, em benefício da unificação do Sistema Braille.


1963 a 1995

Um fato marcante é que em 05 de janeiro de 1963 foi assinado um convênio luso-brasileiro, entre as mais importantes entidades dos dois países, para a padronização do Braille Integral (grau 1) e para a adoção, no Brasil, de símbolos do código de abreviaturas usado em Portugal.  Com relação à Matemática, educadores e técnicos da Fundação para o Livro do Cego no Brasil e do Instituto Benjamin Constant, principalmente, complementaram a tabela Taylor com o acréscimo de símbolos Braille aplicáveis à teoria de conjuntos. Sobre o uso pela imprensas e centros de produção de Braille, foi acordada em 1994, a adoção de uma tabela unificada para a Informática. Durante todo este período, o Brasil participou dos esforços para a atualização e a unificação do Sistema Braille, com destaque, em todo este período, o trabalho conjunto da, hoje, Fundação Dorina Nowill para Cegos e do Instituto Benjamin Constant, através de seus especialistas, aos quais se reuniram, muitas vezes, competentes profissionais de outras importantes entidades brasileiras.


Consulte a integra desta matéria coma entrevista com a Educadora Sandra Mara Peralta, Especialista em Deficiência Visual, sobre os desafios de sua profissão, o Sistema Braille, o que este significa na visa de seus alunos e na sua vida profissional, dedicada há muitos anos para a educação de cegos pelo link: https://enfaseeducacional.com.br/blog/braille-sinonimo-de-vida-para-muitos/#sthash.iCUclic2.dpuf


Fonte: Professora Erika Regiani, que é Mestre em Educação, Coordenadora Pedagógica do Ênfase Educacional.

Escopo Editorial Sobre Master News Quero ENVIAR UMA MATÉRIA Quero SER UM PATROCINADOR
Quero receber conteúdos Master News
Preencha os campos abaixo e fique atualizado com os principais temas relacionados à "Saúde, Beleza e Bem-Estar", "Educação" e "Ciência e Tecnologia".



Master News - Fone: (44) 4141-7500 - Rua Princesa Isabel - 1236 - Maringá/PR
email: comercial@grupoemaster.com.br