Ano IV - 19 de Junho de 2019

Saúde, Beleza e Bem-Estar

07/05/2016
Cromo Quelato: estudos mostram ajuda no controle do diabetes tipo II

O Cromo é um metal (mineral) encontrado na natureza e na maioria dos materiais biológicos na forma de cátion trivalente (Cr+3), além de estar associado com proteínas, ácidos nucleicos e outros componentes corporais1.

Há abundantes evidências na literatura médica de que o cromo, tanto no Homem como nos demais animais tem uma marcada influência sobre o metabolismo dos carboidratos, lipídios, proteínas e ácidos nucleicos2. Como integrante da molécula organometálica conhecida como Fator de Tolerância a Glicose (FTG), o cromo tem uma ativa participação no metabolismo de carboidratos3.


Assim, a presença de cromo no organismo propicia a formação do FTG, que atua como um cofator que aumenta a ação da insulina produzida pelo pâncreas4. Por isso, o FTG contribui para que possamos obter a energia que pode ser fornecida ao corpo a partir dos carboidratos; neste sentido, também ajuda na regulação dos níveis de glicose no sangue,aspecto muito importante para as pessoas com diabetes do tipo II5.

Desta forma, sabe-se que a deficiência de cromo promove aumento do risco de se desenvolver o diabetes (tipo II), a formação de placas de ateroma e de doenças cardíacas coronarianas6. Estressores como calor, exercício extenuante, alta ingestão de carboidratos, gravidez, infecções e dietas de baixa concentração proteica aumentam a excreção de cromo na urina7.


O homem e os demais animais adquirem o cromo através da dieta. Contudo, o cromo inorgânico é absorvido pelo homem pelos demais animas em níveis muito baixos (0,4 a 3% ou menos), por difusão passiva8. Já o cromo organicamente quelatado (cromo quelato) é mais assimilado pelo Homem9. Entre as formas de cromo orgânico (cromo quelato) mais utilizados estão o picolinato de cromo (Pic-Cr), a cromo niacina (Cr-NIAC.), cromo-levedura(Cr-Lev.) e a metionina cromo (Cr-met.)10.

Em dietas normais, o consumo médio de cromo é de 50 a 80 mcg (micrograma) de cromo por dia, insuficiente para o funcionamento fisiológico do organismo. Segundo a Academia Nacional de Ciências dos Estados Unidos, recomenda-se uma dose diária de 100-200 mcg de cromo quelato, via suplementação11.  


Curiosidade:

O minério de cromo foi descoberto em 1797 por Vaquelin, que deu-lhe este nome porque em elevadas temperaturas, resultou em um produto colorido. O metal cromo, quimicamente é um cátion (possui carga positiva) +3, +6 ou neutro (zero)12.

Um quelato pode ser definido como uma molécula formada entre um íon metálico (no caso o cromo) e um ligante (também chamado deagente quelante), capaz de doar um par de elétrons para que se estabeleça uma ligação covalente com o metal13.

 

Bibliografia consultada

 

Anderson R. Chromium as an essential nutrient for humans. RegulToxicol Pharmacol 1997; 26:S35-S41.

Mertz, W. 1993. Chromium in human nutrition. A review. Journalof Nutrition. Vol. 123. pp: 626-633.

Anderson, R.A., M.M. Polansky., N.A. Bryden., E.E.Roginsky., W. Mertz and W. Glinsmann. 1983. Chromium supplementation of humansubjects: effects on glucose, insulin, and lipid variables. Metabolism. 32(9):894-899.

Evans, G. W., D.J. Pouchnik. 1993. Composition andbiological activity of chromiumpipidine carbonylate complexes. Journal ofInorganic Biochemistry, New York, Vol. 49. pp:177-187.

Mooradian, A. D. y J.E. Morley. 1987. Micronutrient status in diabetes mellitus. AmericanJournal of Clinical and Nutrition. 45:887.

Anderson, R.A., M.M. Polansky., N.A. Byrden and J.J. Canary.1991. Supplemental chromium effects on glucose, insulin, glucagons and urinarychromium losses in subjects consuming controlled lo-chormium diets. Am. J. Cli.Nutr. 54:909-916.

Borel, J. S., T.C. Majerus., M.M. Polansky., P.B. Mozer, and R.A. Anderson. 1984. Chromium intake and urinary Cr excretion of traumapatients. Biological Trace Element Research, Totowa, Vol. 6, pp: 317-322.

Anderson, R.A. 1987. Chromium in tissues and fluids. In:WMertz. ed. Trace elements in human and animal nutrition. 5ta ed. AcademyPress, New York. pp: 225-244.

Hemken, R.W. 1997. Role of organic trace minerals in animal nutrition.European and African Lecture. Alltech’s. pp: 47 – 52.

Merck, & Co.I. 1996. An Encyclopedia of chemicals, drugsand biologicals. 12th Edn. Whitehouse Station, N.J. Merck Research Laboratories.

Rosson JW, Foster KJ, Walton RJ, et al. Hair concentrations inadult insulin-treated diabetics. Clin Chim Acta 1979; 93:299304.

Barceloux D.G. 1999. Chromium Clinical Toxicology, Vol.37; pp:173–194.

Langwinsky, D., H.O. Patino. 2002. A Nutrição de ruminantes eos complexos orgânicos de minerais. Tortuga. p. 52.

Escopo Editorial Sobre Master News Quero ENVIAR UMA MATÉRIA Quero SER UM PATROCINADOR
Quero receber conteúdos Master News
Preencha os campos abaixo e fique atualizado com os principais temas relacionados à "Saúde, Beleza e Bem-Estar", "Educação" e "Ciência e Tecnologia".



Master News - Fone: (44) 4141-7500 - Rua Princesa Isabel - 1236 - Maringá/PR
email: comercial@grupoemaster.com.br